Pais de primeira viagem e pais experientes, preparamos um evento de um dia inteiro pra vocês. É o "PAI: os desafios da paternidade atual". 20/08 — ingressos à venda!

[18+] A primeira acusação por pornografia da igreja católica: Um guia de posições sexuais do século 18

Um livro de gravuras representando dezesseis posições sexuais publicado em em 1524

  • Nossos atuais Mecenas:
  • Advertisement
    130x250 1 jpg

O Brasil era apenas um menino quando, em 1524, foi publicado pelo gravador italiano Marcantonio Raimondi (conhecido na época como o primeiro mestre da gravura na Itália) o livro erótico I Modi, ou "os dezesseis prazeres", obra com gravuras de posições sexuais ilustradas de modo explícito.

Raimondi baseou suas ilustrações sacanas sobre uma série de pinturas eróticas de propriedade particular do pintor Giulio Romano. Quando lançou, o livro foi amplamente disseminado e levou à tal acusação por pornografia.

Raimondi foi preso pelo papa Clemente VII e todas as cópias do livro foram destruídas. 

Romano, que detinha as pinturas eróticas que inspiraram Raimondi não sofreu represália alguma por não ter criado as obras para consumo público. Na época, o poeta e satirista Pietro Aretino, sabendo dessa inspiração, ficou com vontade de conhecer as obras originais e decidiu escrever uma série de sonetos eróticos para acompanhar as pinturas.

Ambos fizeram campanhas para que Raimondi fosse libertado da prisão.

Em 1527, uma segunda edição de I Modi foi publicada com sonetos de Aretino e proibido novamente pelo Papa. Todas as cópias foram destruídas (alguns pequenos fragmentos estão hoje no Museu Britânico). 

Somente em 1798, uma versão completamente nova de I Modi foi publicada na França sob o título L'Arétin d'Augustin Carrache ou Recueil de Postures Érotiques, d'Après les Gravures à l'Eau-Forte de cet Artiste Célèbre.

O rosto do livro tinha a deusa do amor, do sexo, da beleza e da fertilidade, Vênus, descendo em uma carruagem
Marido e esposa, Paris e Enone experimentam a penetração lado a lado
Angelique e Medor - dois personagens da ópera 'Roland' - interpretam a "vaqueira inversa", embora provavelmente tenham um nome diferente para isso na época
O Sátiro e a Ninfa na posição missionária
Julia com algum atleta e a vaqueira inversa
Hércules usou sua força para apoiar Deianira em uma posição missionária permanente
Marte e Vênus: vaqueira, mulher em cima
O Culto à Príapo (acima, à esquerda): dois sátiros desempenham mais posições missionárias
Antônio e Cleopatra fazendo o "missionário lado a lado"
Baco e Ariadne vão para o carrinho-de-mão do "doggy style".
Mais baunilha de Polyenos e Chryseis (personagens da Ilíada)
O Sr. e Sra. Sátiros vão para a posição missionária frontal completa
Júpiter e Juno no missionário de pé e de joelhos
A esposa do imperador romano, Cláudio, Messalina, se deleitava em um bordel
Aquíles encontrou um novo ponto fraco com Briseis
Mais missionário. O poeta Ovid e Corinna 
Rainha de Cartago, Dido, sendo manipulada com os dedos pelo mítico Eneas
Variação sobre um tema: O estadista Alcebiades e namorada Glycera em posição missionária
Pandora abriu sua caixa?

Obs.: eu vi esse post lá no Dangerous Mind e todas as legendas eu peguei de lá em tradução livre.


publicado em 16 de Junho de 2017, 00:00
13350456 1045223532179521 7682935491994185264 o

Jader Pires

É escritor e editor do Papo de Homem. Seu livro de contos é o Ela Prefere as Uvas Verdes. Está no Facebook, no Instagram e escreve semanalmente sua newsletter, a Meio-Fio, com contos/crônicas e uma curadoria cultural todas às sextas, direto no seu e-mail.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Nossos atuais Mecenas: